Voluntários da vacina Sputnik V não receberão mais placebo

voluntarios-da-vacina-sputnik-v-nao-receberao-mais-placebo
Jornal Lagoa News
Sputnik foi a 1ª vacina aprovada na Rússia

Sputnik foi a 1ª vacina aprovada na Rússia
Maxim Shipenkov/EFE/EPA – 05.12..2020

O Instituto Gamaleya, de Moscou, que desenvolveu a primeira vacina contra covid-19 da Rússia, informou nesta quarta-feira (23) que os voluntários de seus testes de estágio avançado de larga escala da vacina Sputnik V não receberão mais placebos, relatou a agência de notícias RIA.

Alexander Ginsburg, o diretor do instituto, disse que o Ministério da Saúde autorizou a suspensão da administração de placebos a novos voluntários do teste de fase 3 do imunizante.

“Tudo lá foi provado e a pandemia continua, então um placebo não faz nenhum bem”, disse Ginsburg, segundo a RIA.

Ele acrescentou que gostaria de identificar aqueles que já receberam um placebo e lhes oferecer uma vacinação, “mas ainda não está claro se a agência reguladora permitirá isso”.

Leia também: Criadores da Sputnik e AstraZeneca passam a cooperar por nova vacina

A Rússia disponibilizou a vacina Sputnik V a médicos e outros trabalhadores da linha de frente em Moscou neste mês. Mais de 200 mil pessoas já foram vacinadas.

Dados provisórios de testes publicados na semana passada mostraram que a Sputnik V, que agências reguladoras russas aprovaram em agosto depois de menos de dois meses de testes em humanos, tem eficácia de 91,4%.

A autorização de emergência não esperou os resultados do teste de estágio avançado, que é o padrão a ser seguido, como de praxe.

No estágio avançado, um número grande de voluntários recebe aleatoriamente ou a vacina ou uma injeção de controle de placebo, sem saber qual recebeu, e seus índices de infecção são comparados depois de um número suficiente ter sido infectado no ambiente natural.

Jornal Lagoa News
Paulo da Costa
Jornalista e escritor, repórter do Jornal Lagoa News.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.