Universidades estaduais têm prova presencial para evitar desigualdade

universidades-estaduais-tem-prova-presencial-para-evitar-desigualdade
Jornal Lagoa News
Justificativa é oferecer oportunidades iguais aos candidatos

Justificativa é oferecer oportunidades iguais aos candidatos
Luciano Claudino/Código 19/Folhapress – 16.11.2020

As principais universidades estaduais – USP, Unesp e Unicamp – de São Paulo mantiveram os vestibulares presenciais. A justificativa é oferecer oportunidades iguais aos candidatos. Existe preocupação com o desequilíbrio no acesso das populações carentes às ferramentas necessárias para uma prova online.

“A alternativa seria um exame digital. O primeiro desafio é de ordem técnica: como desenvolver um sistema seguro e sem risco de fraude. O segundo e mais importante: o exame online seria desigual quanto à operacionalização da prova. Haveria imensos prejuízos aos estudantes de escola pública”, explica o professor José Alves de Freitas Neto, diretor do vestibular da Unicamp.

A Fuvest corrobora essa posição. “O vestibular conta com cerca de 130 mil candidatos. Para poder oferecer oportunidades iguais a todos em termos de infraestrutura, optou-se pelo formato presencial.”

Veja também: Com 4,9 mi sem aula, escolas ‘caçam’ alunos até de canoa

Para garantir o distanciamento, as universidades aumentaram os locais de prova. No ano passado, a Fuvest usou 88 endereços na primeira fase; neste ano, serão 148. A ocupação máxima das salas será de 40%.

A Unicamp mais do que dobrou o número de locais, que passou de 1.502 para 3.381. Nesses endereços, a ocupação será de 30% da capacidade. Já a Unesp decidiu dividir a prova em dois dias.

Mesmo com essas medidas, os alunos temem aglomerações na entrada e na saída. Isabella Marangon, de 18 anos, aluna do cursinho Poliedro, se lembra dos vestibulares presenciais recentes para Medicina na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa e para o Hospital Albert Einstein.

“Na entrada, não havia fiscalização e o pessoal ficava junto”, conta Isabella.

Candidato de Administração, Kauê Ferreira Ostolin também tem receio de contaminação. “Dificilmente, as pessoas vão perder a chance de fazer a prova depois de um ano de estudo. Elas vão fazer a prova de qualquer jeito.”

Essa é a mesma visão do professor Leandro Tessler, do Instituto de Física da Unicamp e ex-coordenador do vestibular. “Tive contato com candidatos que vinham fazer as provas mesmo doentes. Temo que candidatos, mesmo sabendo estar contaminados, compareçam às provas.”

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.