Professor cria jogo de RPG para ensinar matemática

professor-cria-jogo-de-rpg-para-ensinar-matematica
Jornal Lagoa News

Vitor Caetano desenvolveu gamificação para ensinar matemática para alunos do fundamental 2Vitor Caetano desenvolveu gamificação para ensinar matemática para alunos do fundamental 2Divulgação/Arquivo pessoal

Vitor Caetano Silva, 25 anos, é professor de matemática e para atrair a atenção dos alunos do ensino fundamental 2, ele desenvolveu um método de gamificação durante as aulas utilizando o RPG (Role Playing Game).

Reinos de Kaevi é o nome do jogo criado pelo professor que se utiliza de personagens imaginários e cenários lúdicos, deixando o aprendizado na disciplina mais efetivo por meio do entretenimento e da criatividade práticados em sala de aula.

O professor conta que sempre foi muito apaixonado por jogos de tabuleiros e eletrônicos e sempre que possível dava um jeito de colocá-los nas aulas. “Sempre que existia a oportunidade eu criava grupos em sala de aula para correções de exercícios ou por meio de competições para que a dinâmica ocorresse de forma mais leve e assimilação melhor do conteúdo”, explica.

A ideia surgiu quando o educador percebeu que os alunos ficavam dispersos durante a matéria. “A matemática é estereotipada como disciplina ‘chata’, percebi que precisava atrair os alunos com algo diferente e que ainda fizesse com que eles fixassem o conteúdo, foi quando decidi desenvolver o jogo”, comenta o professor Colégio Oficina do Estudante de Campinas, interior de São Paulo.

Atualmente, Vitor está com o ensino híbrido (presencial e online). Ele explica que o RPG não acontece em todas as aulas. “Eu criei uma história e vou desenvolvendo com os estudantes a cada semana”, conta. Para que houvesse sucesso no novo método exposto, o professor foi em busca de conhecimento por meio de cursos, pesquisas e artigos voltados ao princípio da aprendizagem, conceitos que são presentes em obras do linguista James Paul Gee.

“Quando a gente mexe com a emoção dos alunos e desenvolve habilidades como a memória, raciocínio e percepção eles assimilam mais o conteúdo”, explica. O resultado das aulas já é considerado satisfatório. “Eu já consigo observar o engajamento maior dos estudantes por meio das interações e participações”, comenta. Outro ponto destacado pelo educador é o desenvolvimento de criatividade, colaboração em grupo e senso crítico.

O jogo em ação

 

O jogo é separado em três tipos de semanas: História, Atividade e Protagonismo. Na História, é contada sobre a história do jogo e, em cada situação, os personagens são chamados para decidirem o que farão. “Os alunos discutem a melhor opção atentos aos acontecimentos, para cada escolha, há uma resposta (sequência) diferente”, contextualizou.

Na Atividade, os estudantes devem desenvolver alguma tarefa matemática para conseguir melhorar a situação dos personagens deles na jornada. Já no Protagonismo, os jovens têm a oportunidade de guiar a história, acrescentando algum desdobramento que pode acontecer durante o jogo. “A história base do jogo é a mesma para todas as turmas. Porém, como cada personagem chegará em cada etapa, depende das escolhas feitas pela sala. Desta forma, os alunos não só assistem, mas também produzem”, elucida.

Veja também

  • Pesquisa: 32% dos alunos criam projetos de melhoria educacional

    Educação

    Pesquisa: 32% dos alunos criam projetos de melhoria educacional

     


  • Confira a lista de aprovados e a classificação geral nas Fatecs

    Educação

    Confira a lista de aprovados e a classificação geral nas Fatecs

     


  • Jovem que viveu em abrigo conquista bolsa para estudar fora

    Educação

    Jovem que viveu em abrigo conquista bolsa para estudar fora

     

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.