Prisão de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão no Paraguai

Edição de Rubens Britto

Jornal Lagoa News

O brasileiro Ronaldo de Assis Moreira, conhecido como Ronaldinho Gaúcho, ex-jogador que atuava como meia-atacante, e atualmente embaixador do Barcelona (clube que ele fez história), foi preso em Assunção – capital do Paraguai, juntamente com seu irmão Assis Moreira, seu empresário, enquanto estavam hospedados no Hotel Resort Yacht y Golf Club Paraguayo.

 

O ex-ídolo da seleção brasileira de futebol informou que viajou ao país vizinho, na companhia do seu irmão, para cumprir agenda de compromissos comerciais e eventos promocionais. Entretanto, foram surpreendidos com a chegada da Polícia Nacional, funcionários no Ministério do Interior e do Ministério Público do Paraguai que abordaram a dupla nas dependências do hotel de luxo onde estão hospedados. A princípio, segundo informações da polícia paraguaia, Ronaldinho Gaúcho e o irmão estariam usando passaportes e identidades paraguaias supostamente falsas que foram encontradas na suíte onde estão hospedados.

As informações do Ministério Público do Paraguai são no sentido de que os passaportes encontrados com Ronaldinho e seu irmão Assis são “passaportes adulterados”, ou seja, “foram emitidos para cidadãos paraguaios em janeiro de 2020 e não para dois brasileiros”.

O policial paraguaio, César Silguero, comissário da Polícia Nacional, em entrevista coletiva explicou a imprensa que as numerações contidas nos passaportes apreendidos são de duas mulheres paraguaias que residem em Assunção. Os documentos, de acordo com o comissário, tem autenticidade; porém, apresentam adulterações. Quanto às células de identidade paraguaia que estavam em poder de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Assis Moreira, que foram apreendidas, “são totalmente falsas”.

O advogado Sérgio Queiroz, que representa o ex-jogador no Brasil, disse que “certamente trata-se de algum equívoco que será esclarecido”.

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.