Polícia de Nova York usa robô de quatro pernas para buscar refém

policia-de-nova-york-usa-robo-de-quatro-pernas-para-buscar-refem
Jornal Lagoa News

Robô pode alcançar até 5,6 km/hRobô pode alcançar até 5,6 km/h   –   Reprodução/YouTube

Na última terça-feira (23), moradores do bairro do Bronx puderam acompanhar o Digidog, como um dispositivo de quatro pernas, durante a investigação de uma possível invasão domiciliar. Segundo o New York Post, o robô foi utilizado pelo Departamento de Polícia de Nova York (NYPD) para subir as escadas de um prédio e buscar um possível refém, mas ninguém foi encontrado.

O Digidog é equipado com câmeras que ajudam os oficiais da polícia a terem imagens da área, e também conta com a Inteligência Artificial para caminhar por conta própria por lugares onde os humanos teriam dificuldade para chegar.

Segundo informações do NYPD, o robô pesa cerca de 31 kg, pode alcançar a velocidade de 5,6 km/h e tem a capacidade até de escalar alguns obstáculos. Além disso, ele pode intermediar uma conversa entre um suspeito para que nenhum policial corra riscos desnecessários.

Veja também

  • Instituto Butantan lança aplicativo para monitorar casos de covid-19

    Tecnologia e Ciência

    Instituto Butantan lança aplicativo para monitorar casos de covid-19

     


  • Nasa esconde mensagem secreta no paraquedas usado por robô 

    Tecnologia e Ciência

    Nasa esconde mensagem secreta no paraquedas usado por robô

     


  • Pesquisadores descobrem a origem das duas luas de Marte

    Tecnologia e Ciência

    Pesquisadores descobrem a origem das duas luas de Marte

     

O Digidog se originou do robô Spot, desenvolvido pela empresa Boston Dynamics, que originalmente tem as cores amarelo e preto. Contudo, ele recebeu uma nova pintura para começar a atuar junto aos policiais da cidade norte-americana.

O dispositivo já foi usado duas outras vezes pelo Departamento de Polícia de Nova York. A primeira foi em outubro de 2020, para procurar um atirador que estaria escondido em um porão após um tiroteio no que aconteceu no Brooklin.

O segundo teste do Digidod foi em dezembro do ano passado. Na ocasião, enquanto dois homens armados mantinham cinco pessoas como reféns em uma casa no Queens, a polícia usou o dispositivo para fazer as negociações e levar comida às pessoas que estavam com os bandidos.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.