Pirataria pode render até 10 anos de prisão nos EUA

pirataria-pode-render-ate-10-anos-de-prisao-nos-eua
Jornal Lagoa News
Objetivo é punir "serviços comerciais de pirataria de streaming com fins lucrativos"

Objetivo é punir “serviços comerciais de pirataria de streaming com fins lucrativos”
Freepik

Entre as medidas que constam no pacote de estímulos fiscais de U$ 900 bilhões (aproximadamente R$ 4,67 trilhões) assinado pelo presidente Donald Trump no último domingo (27) está uma nova lei que pune com até dez anos de prisão e multa os streamers que piratearem grandes quantidades de conteúdo protegidos por direitos autorais.

O “Protecting Lawful Streaming Act” (em tradução livre para o português, “Lei de Proteção ao Streaming Legal”), apresentado no início deste mês pelo senador republicano Thom Tillis, especifica que a lei não se aplica a pessoas que usam serviços de streaming ilegais ou “indivíduos que acessam streams pirateados ou inadvertidamente reproduzem cópias não autorizadas de obras protegidas por direitos autorais”.

O objetivo é punir “serviços comerciais de pirataria de streaming com fins lucrativos” que ganham dinheiro com streaming ilegal de material protegido por direitos autorais, prática que, segundo Tills, custa à economia dos EUA cerca de U$ 30 bilhões por ano (aproximadamente R$ 155,7 bilhões).

No ano passado, o Departamento de Justiça acusou dois programadores de computador de Las Vegas, em Nevada, de piratear ilegalmente milhares de horas de programas de televisão da Netflix e Hulu e transmiti-los em sites chamados iStreamItAll e Jetflicks. Um homem admitiu ter ganhado mais de US 1 milhão (R$ 5,19 milhões) com suas operações de pirataria.

“Esta legislação de bom senso foi elaborada com a contribuição de criadores, grupos de usuários e empresas de tecnologia e é estritamente direcionada para que apenas organizações criminosas sejam punidas e nenhum streamer individual tenha que se preocupar com o medo de processo”, afirmou o senador em um comunicado.

O projeto tem o apoio de cinco senadores democratas e quatro republicanos, além de dois grupos, entre eles a Public Knowledge, um grupo de defesa do consumidor, que classificou o projeto de lei como “sob medida” para que não afete os usuários regulares da internet.

“Agradecemos a decisão do senador Tillis de divulgar o texto de sua proposta e sua liderança em trazer grupos de consumidores para a mesa, ouvir nossas preocupações e trabalhar para evitar riscos para os usuários finais e streamers legítimos e plataformas de streaming”, disse em comunicado a conselheira jurídica da Public Knowledge, Meredith Rose.

Em uma resposta separada, a National Association of Broadcasters disse que “apoia fortemente” a lei.

*FONTE:R7

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.