O que está por trás da mudança de discurso do Talibã?

o-que-esta-por-tras-da-mudanca-de-discurso-do-taliba?
Jornal Lagoa News
Milicianos são conhecidos por aplicar penas severas àquele que infringem a lei islâmica

Stringer / EFE – EPA – 16.8.2021

Desde que o Talibã invadiu o palácio presidencial em Cabul, no último domingo (15), e assumiu o controle do Afeganistão após quase 20 anos, o mundo vem aguardando com apreensão as cenas dos próximos capítulos da crise política e humanitária que assola o país.

Leia também: Conheça o Talibã, grupo radical que está no controle do Afeganistão

O grupo fundamentalista é conhecido por violar os direitos humanos e aplicar penas severas àqueles que infringem a lei islâmica, como cortar as mãos de ladrões, executar assassinos em público, esmagar homossexuais sobre a parede e apedrejar mulheres adúlteras.

Veja também

  • EUA acham restos mortais de afegãos em trem de pouso de avião

    Internacional

    EUA acham restos mortais de afegãos em trem de pouso de avião

     


  • Presidente do Afeganistão está nos Emirados Árabes

    Internacional

    Presidente do Afeganistão está nos Emirados Árabes

     


  • Com talibãs, Afeganistão pode ser estratégico para a China

    Internacional

    Com talibãs, Afeganistão pode ser estratégico para a China

     

Na primeira entrevista coletiva concedida pelo Talibã desde a tomada do poder, realizada na terça-feira (17), um porta-voz do grupo afirmou que, diferentemente de como ocorreu no período de 1996 até 2001, ninguém será perseguido e meninas e mulheres poderão exercer seus direitos, como estudar e trabalhar, mas “à luz da lei islâmica”.

Para o professor de Direito da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Luís Vedovato, que estuda a crise do Afeganistão pelo viés dos Direitos Humanos, as declarações não vieram como nenhuma surpresa e não devem ser tomadas como verdade.

“Este não é o momento de o Talibã assumir qualquer outra postura que não seja essa. Se um porta-voz faz uma declaração indicando que haverá, sim, violações dos Direitos Humanos, seria muito mais fácil mobilizar o mundo contra o grupo agora do que daqui a algum tempo, quando o governo já estivesse estabilizado”, afirma.

Leia também: Entenda como o Talibã recuperou o poder no Afeganistão

Vedovato ressalta ainda que o Talibã tem plena consciência de que sua permanência no poder está ligada, acima de tudo, a sustentação econômica do grupo — o que significa, necessariamente, fazer pontes e alianças com outros países. Até o momento, China e Rússia, duas das maiores potências do mundo, já sinalizaram apoio ao governo talibã.

Os países que reconheceram o Talibã como governo do Afeganistão no passado — Emirados Árabes, Arábia Saudita e Paquistão — eram mal vistos pelo resto do mundo e não conseguiam estabelecer relações comerciais com nenhuma outra nação. Depois dos ataques às torres do World Trend Center, em Nova York, em 11 de setembro de 2001, apenas o Paquistão continuou a reconhecer o grupo como um governo legítimo.

“O Talibã precisa mudar essa imagem internacional se quiser ter o apoio de outros países e continuar se mantendo financeiramente. Eu duvido muito que qualquer nação teria reconhecido o novo governo caso eles tivessem indicado que continuariam a violar os Direitos Humanos”, diz.

Como deve ser a nova gestão?

 

O professor da Unicamp acredita o Talibã está agora diante de uma nova formação e que tem como objetivo um projeto de poder que não está meramente ligado a ideologia ou a religião. Ele imagina, portanto, que o grupo se utilizará de discursos mais amenos para conseguir se sustentar e garantir um país funcional economicamente, mas que a proteção aos Direitos Humanos ainda seguirá ameaçada.

O porta-voz do grupo disse que o governo ainda está sendo formado e que as leis só serão decididas uma vez que todos os cargos forem devidamente distribuídos. Houve uma sinalização de que os direitos das mulheres, o grupo mais vulnerável no Afeganistão, não seriam violados.

“Eles alegaram que as meninas poderão frequentar a escola, mas não deixaram claro qual escola e até que idade elas poderão estudar, por exemplo. O que se sabe até agora é que as meninas terão direitos ‘dentro da religião islâmica’, mas isso não quer dizer muita coisa — pode ser tudo ou pode ser nada”, afirma.

Apesar do disrcuso menos radiacal, na quarta-feira (18), houve uma repressão violenta de manifestantes que protestavam contra o uso da bandeira do Talibã no lugar da bandeira do país. Foram registadas pelo menos três mortes e alguns feridos por tiros disparados para dispersar a mobilização popular.

*Estagiária do R7 sob supervisão

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.