Marco Aurélio Mello para general Heleno: ‘não assusta em nada’

Jornal Lagoa News

Da Rede Brasil Atual – Para o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, a Nota à Nação Brasileira, do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, “não assusta em nada”. No documento, o militar ameaça o STF pelo pedido de apreensão e perícia dos celulares do presidente Jair Bolsonaro e seu filho Carlos. O pedido foi dirigido à Procuradoria-Geral da República pelo ministro Celso de Mello.

No comunicado, Heleno ameaça: “Tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

”Quando se digladiam poderes, você evidentemente tem algum risco. Isso é natural”, afirma Marco Aurélio. No entanto, segundo ele, não há motivo para preocupação. “Não fico, não (preocupado). Não há espaço para qualquer retrocesso”, afirma. “Que as instituições funcionem observando-se o figurino da Constituição. Está no contexto democrático, de aprimoramento da democracia”, acrescenta o ministro.

Na opinião do jurista Pedro Serrano, a nota do general Heleno “é uma ameaça de golpe gravíssima, do ponto de vista simbólico”. Na interpretação do professor de Direito Constitucional da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), o presidente da República deve, sim, ceder seu celular toda vez em que houver suspeita de que ele cometeu algum ilícito.

Seja fornecer para o Parlamento, quando houver uma comissão de investigação, seja ao Judiciário ou a polícia, quando houver uma investigação criminal, como acontece hoje. Serrano explica que o presidente da República tem menos direito à intimidade do que o cidadão comum. “Quem exerce função de Estado está sujeito a maior publicização da sua intimidade. Ele tem direito à intimidade, claro, mas não tem a mesma extensão que os outros cidadãos”, explica, de acordo com o artigo 37 da Constituição.

“Quem guarda a Constituição é o Judiciário. Portanto, é o juiz quem vai decidir o que, na conversa do presidente, é de segurança nacional e não deve ser divulgado. O juiz vai determinar o que é de segurança nacional e destruir, determinar o que é estritamente íntimo do presidente da República, e destruir, e só deixar ser objeto da investigação o que não estiver em nenhum desses dois campos.”

Para Pedro Serrano, o general Augusto Heleno não está exatamente preocupado com a proteção da instituição presidência da República. “Não vi esse tipo de reação de nenhum militar quando a conversa entre a ex-presidente Dilma e o ex-presidente Lula foi obtida ilicitamente, fora da lei, sem ordem judicial, e foi divulgada”, lembra.

O jurista acredita que a harmonia entre os poderes passa ao largo das intenções do ministro do GSI. “Não é verdadeiro que ele, como militar, está preocupado com isso. Ele está preocupado em garantir no poder uma linha política a que ele está aderindo. Está falando como militante e não como militar”, diz Serrano.

O presidente Jair Bolsonaro não estaria disposto a cumprir ordem judicial para entregar seu celular. “Quem irá cumprir a ordem?”,teria dito um assessor do presidente, segundo a colunista do Uol Thaís Oyama.

Leia a íntegra da nota do general Augusto Heleno.

O pedido de apreensão do celular do Presidente da República é inconcebível e, até certo ponto, inacreditável. Caso se efetivasse, seria uma afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e uma interferência inadmissível de outro Poder, na privacidade do Presidente da República e na segurança institucional do País. O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República alerta as autoridades constituídas que tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional.

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.