Lentidão na vacinação e fadiga social colocam mundo na 4ª onda

lentidao-na-vacinacao-e-fadiga-social-colocam-mundo-na-4a-onda
Jornal Lagoa News

Mundo ultrapassou a marca de 127 milhões de casos, segundo OMSMundo ultrapassou a marca de 127 milhões de casos, segundo OMS EFE / Juan Ignacio Roncoroni – 31.03.2021

A lentidão na vacinação, a fadiga da população em meio a restrições e as variantes mais contagiosas do novo coronavírus levaram o mundo à uma quarta onda da covid-19, com números que já se assemelham aos registrados na terceira, no fim de 2020, até então, a pior em casos de infecção e mortes.

Segundo números divulgados nesta quinta-feira (1º) pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi ultrapassada a marca de 127 milhões de casos, enquanto a quantidade de vítimas se aproxima da marca de 2,8 milhões. Tanto o contágio quanto os óbitos seguem em tendência global de alta, após um período de esperança em meados de fevereiro, quanto os dois indicadores estavam em curva descendente.

Veja também

  • OMS chama de 'inaceitável' a lentidão da vacinação na Europa

    Internacional

    OMS chama de ‘inaceitável’ a lentidão da vacinação na Europa

     


  • Pesquisadores sentem a sobrecarga de trabalho na pandemia

    Educação

    Pesquisadores sentem a sobrecarga de trabalho na pandemia

     


  • Plano catástrofe: HC pode atender somente covid e emergência

    SP Record

    Plano catástrofe: HC pode atender somente covid e emergência

     

“Temos seis semanas consecutivas de aumento de transmissão em todas as regiões. É uma tendência preocupante e séria. Há muito cansaço, e as pessoas querem que a pandemia termine, mas não estamos indo na direção certa”, afirmou a líder técnica da OMS na luta contra a covid-19, Maria Van Kerkhove.

Há várias semanas, o número de casos de infecção semanais no mundo é de mais de 600 mil, se aproximando do recorde do começo do ano, quanto superou os 800 mil. Em alguns dias recentes, além disso, foi superada a barreira de 10 mil mortes em um período de 24 horas.

Jovens na UTI

 

Os especialistas da OMS destacaram ainda que, novamente, está caindo a idade média dos pacientes em estado grave, como aconteceu no meio do ano passado. Está sendo registrado aumento das pessoas entre 30 e 69 anos que precisam de atendimento de urgência.

“É frustrante que isso esteja acontecendo, porque já vivemos esta situação, a guarda baixou com o tempo, e não podemos fazer isso no momento em que a distribuição de vacinas ainda é desigual”, disse a representante da agência internacional.

A quarta onda da covid-19 ainda não supera os números da terceira, mas supera os da primeira, que perdurou de março a abril de 2020, e da segunda, no meio do ano passado, quando o a doença atingiu, principalmente, o continente americano.

A tendência negativa coincide com a chegada do feriado da Semana Santa, que deve gerar um aumento no número de casos devido ao feriado prolongado em várias regiões do mundo e dos encontros familiares, como aconteceu no último Natal.

“Todos nós sabemos o que precisa ser feito para prevenir infecções e salvar vidas, então precisamos continuar fazendo isso, fazer tudo o que pudermos para diminuir os números”, afirmou Van Kerkhove, que disse entender a existência de uma corrida contra o relógio, para vacinar o maior número de pessoas.

De acordo com balanço mais recente da OMS, foram aplicadas 600 milhões de doses, enquanto os especialistas apontam para a necessidade de que o número chegue a 10 bilhões, para que haja uma imunidade de grupo global.

Os Estados Unidos lideram o ranking de países que mais imunizaram, com 150 milhões de doses administradas, seguidos da China, com 120 milhões. Israel, por sua vez, tem a maior taxa de habitantes vacinados, já que levou imunização, ao menos com uma dose, à 60% da população, ficando a frente do Reino Unido, com 45%, e do Chile, com 35%.

Jornal Lagoa News
Paulo da Costa
Jornalista e escritor, repórter do Jornal Lagoa News.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.