Jackie Stewart aposta em título de Verstappen e faz elogios a pilotos brasileiros

Jornal Lagoa News

Mais velho campeão vivo da Fórmula 1 e uma lenda do automobilismo, Sir Jackie Stewart, de 82 anos, está empolgado com o GP de São Paulo, de volta ao calendário da modalidade após um ano de hiato em razão da pandemia de covid-19. Com a tradicional boina quadriculada em tons de kilt escocês, bem como a calça, o ex-piloto, embora vá a quase todas corridas, continua sendo uma das figuras mais requisitadas em Interlagos.

Neste ano, na sua opinião, apesar do ótimo desempenho de Lewis Hamilton no primeiro treino livre e na sessão classificatória para o sprint race nesta sexta-feira, o título ficará com Max Verstappen, que tem 19 pontos de vantagem sobre o heptacampeão no Mundial de Pilotos.

“Verstappen e Red Bull estão muito bem neste ano. Não é impossível que Hamilton ganhe neste ano, mas é mais provável que Verstappen seja o campeão”, diz Stewart quando questionado pelo Estadão sobre a disputa pelo título nesta temporada. “Todos os pilotos querem ter um bom desempenho para o público em Interlagos, pois o ambiente é muito especial e os fãs são muito entusiastas”.

Para Stewart, Hamilton, maior campeão da Fórmula 1 ao lado de Michael Schumacher, com sete conquistas, é um piloto “de primeira linha”, mas os títulos, ele entende, não teriam vindo se não estivesse na Mercedes. “Quando você pilota em um time como a Mercedes as coisas ficam mais fáceis. O motor de Fórmula 1 da Mercedes é feito na Inglaterra, a capital do automobilismo. Hamilton é um garoto sortudo e sábio por ter ido para a Mercedes”, ressalta.

A reportagem participou de uma mesa redonda com o tricampeão mundial organizada pela Rolex, marca da qual ele é embaixador. O escocês também falou sobre o movimento que liderou no passado para aumentar a segurança dos pilotos, as memórias da primeira corrida em solo brasileiro válida pelo Mundial, em 1973, a única que disputou no País, e outros assuntos.

“Foi difícil. Emerson me venceu. Ele era muito sensitivo. Fiquei muito feliz de ter sido o segundo naquela ocasião. Emerson e eu somos grandes amigos, até hoje”, conta ele sobre as memórias do GP do Brasil de 1973. O brasileiro Emerson Fittipaldi, como Stewart lembrou, ganhou aquela corrida e o escocês terminou em segundo depois de largar em oitavo.

Considerado uma lenda do esporte a motor, o escocês natural de Milton, um vilarejo nos arredores de Glasgow, advogou por anos para que a categoria oferecesse menos riscos de morte aos pilotos nas pistas. Na sua época, os riscos eram gigantescos.

“Provavelmente foi a coisa mais importante que já fiz na vida. Precisava ser feito. Fui presidente da Associação dos Pilotos de Grandes Prêmios. Muitas pessoas foram contra mim e as minhas ideias, mas eles não podiam fazer nada para aumentar a segurança dos pilotos”, recorda-se.

Depois de ver mais de 50 companheiros morrerem em acidentes, ele entende que o automobilismo evoluiu significativamente em termos de segurança. “Perdi grandes amigos na pista e não paramos de correr. Hoje, um acidente para a corrida na hora. Mudou muito. O esporte evoluiu muito. Por causa do perigo, as pessoas queriam ver as corridas”, comenta.

Stewart, hoje, é entusiasta de outros esportes também. Diz que joga e assiste a golfe e tênis. Desde que parou de correr, associou sua imagem a várias marcas, tornando-se o homem do marketing da Fórmula 1. Além de ser embaixador da Rolex há 50 anos, foi garoto-propaganda da Ford, gravou para a Goodyear e é parceiro da Heineken, marca de cerveja cujo patrocínio à F-1 ele ajudou a viabilizar. O GP de São Paulo, neste ano, leva o nome da cervejaria holandesa. E o País, diz o tricampeão, embora não tenha um piloto no grid da principal categoria do automobilismo mundial no momento, não perdeu sua capacidade de revelar grandes pilotos.

“Os pilotos ‘caem das árvores’ e são muito bons. Por muitos motivos, esse país revela grandes nomes”, afirma. “O Brasil teve pilotos lendários. Nelson Piquet e Rubens Barrichello foram dois deles. São muitos bons os pilotos brasileiros”, acrescenta. Rubinho, inclusive, correu na Stewart, equipe do qual o escocês foi proprietário. A escuderia foi vendida em 2000 para Ford, que a renomeou Jaguar Racing. Depois, em 2004, foi negociada com a Red Bull.

Jornal Lagoa News
Paulo da Costa
Jornalista e escritor, repórter do Jornal Lagoa News.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.