Entenda a relação da guerra na Geórgia e da anexação da Crimeia com a invasão da Ucrânia

entenda-a-relacao-da-guerra-na-georgia-e-da-anexacao-da-crimeia-com-a-invasao-da-ucrania
Jornal Lagoa News
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, estava no comando do país nas três operações militares

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, estava no comando do país nas três operações militares
Mikhail Klimentyev/Sputnik/AFP – 12.4.2022

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assumiu pela primeira vez o cargo em 2000. Nestes 22 anos, nos quais atuou também como primeiro-ministro, o líder russo colocou as tropas do país em conflitos para defender interesses russos em três oportunidades: Geórgia (2008), Crimeia (2014) e Ucrânia (2022).

As três operações militares têm em comum a palavra oportunidade. Putin se aproveitou de movimentos ou fraquezas da democracia da Geórgia e da Ucrânia para agir, conquistando seus objetivos tanto em 2008 quanto em 2014.

O historiador Rodrigo Ianhez, especialista em Rússia, explica que há paralelos no discurso de Putin em todos estes três conflitos. Na Geórgia e na Ucrânia, por exemplo, o presidente russo citou uma suposta missão de paz para justificar as ações militares.

“Os russos falaram em operação de paz, com a grande diferença de que na época, de fato, havia um mandato de paz russo na Geórgia. Obviamente, depois da entrada das forças armadas da Rússia, a história mudou. […] O que não há na Ucrânia, apesar dos russos usarem termos semelhantes”, explica Ianhez.

Na visão do historiador, a anexação da Crimeia, em 2014, e a invasão da Ucrânia neste ano, na verdade, são faces do mesmo conflito, que perdura por oito anos.

“Em 2014, mais que um paralelo com a situação atual, é o início dessa guerra. A gente não pode falar que essa guerra começou em fevereiro, essa guerra começou oito anos atrás, lá em 2014, com a declaração separatista de Donetsk e Lugansk. Parte disso, sem dúvida nenhuma, é a questão da Crimeia.”

 

 

 

Guerra com a Geórgia

Manifestantes pedem fim da ocupação russa na Geórgia, em 2008

Manifestantes pedem fim da ocupação russa na Geórgia, em 2008
Yves Herman/Reuters – Arquivo

 

 

 

Em 2008, tropas russas realizaram operações na Ossétia do Sul e Abecásia, regiões separatistas da Geórgia que compõem cerca de 25% do território total do país.

Diferentemente da Ucrânia, a Rússia tinha tratados que autorizavam o país a colaborar na manutenção de paz destas regiões, que buscam separação da Geórgia desde a dissolução da União Soviética, em 1991. As tensões entre o governo central georgiano e os povos de Ossétia do Sul e Abecásia levaram a inúmeros massacres contra essas minorias.

O governo do ex-presidente georgiano Mikheil Saakashvili aproveitou a aproximação com o Ocidente no início do século para tentar eliminar de vez os dois núcleos separatistas no país, conta Ianhez.

“O governo georgiano já vinha há anos se aproximando do Ocidente com o governo de Saakashvili e o Ocidente havia criado algumas expectativas, dado alguns sinais de aproximação, inclusive sinalizando uma possível entrada na Otan. O Saakashvili se sentiu confiante para resolver a questão destes territórios.”

Neste cenário, os georgianos decidiram atacar, mas não contaram com a ajuda do Ocidente, enquanto as regiões separatistas tiveram as forças russas para se proteger. O resultado foi a vitória das áreas de Abecásia e Ossétia do Sul, que reafirmaram seu status de autonomia, ainda que a comunidade internacional não as reconheça como país.

“Os russos aproveitaram a oportunidade para efetivar o quadro que já estava se desenhando uma separação dessas duas regiões. Apesar de não serem reconhecidas, gozam de uma independência sob a asa dos russos”, completa Ianhez.

 

 

 

Anexação da Crimeia

Policiais dividem ucranianos e separatistas da Crimeia, em 2014

Policiais dividem ucranianos e separatistas da Crimeia, em 2014
Baz Ratner/Reuters – 26.2.2014

 

 

 

Diferente da Geórgia, onde os militares russos precisaram usar armas, na Crimeia sequer a população foi contra a chegada de Moscou. Em 2014, 70% do povo que habitava a península era formado por russos, contra apenas 10% de ucranianos e outro 20% de etnia tártara.

Historicamente, a ligação da Crimeia é com a Rússia, não com a Ucrânia, que fica ao norte da península. O território se tornou um braço de Kiev em 1954, quando a União Soviética concede a região aos ucranianos, em uma época em que não se pensava em uma dissolução da grande república.

“A Crimeia, historicamente, tem relações muito frágeis com a Ucrânia, enquanto com a Rússia, desde o governo de Catarina – A Grande (1762-1796) muitos russos foram habitar na Crimeia.”
Em 2014, quando a Ucrânia passava por uma enorme instabilidade política causada pelos protestos do Euromaidan, Putin entrou na Crimeia, onde foi recebido com festa pelos cidadãos da península.

“Os russos entram na Crimeia de maneira pacífica, não há nenhum derramamento de sangue e por isso acho que não dá para dizer que isso foi um ensaio para uma ofensiva maior”, explica Ianhez, em paralelo com o conflito que ocorre atualmente na Ucrânia.

 

 

 

Extermínio de minorias russas é o combustível de Putin?

Tropas russas devem focar esforços na região separatista de Donetsk e Lugansk

Tropas russas devem focar esforços na região separatista de Donetsk e Lugansk
Alexander Ermochenko/Reuters – 28.03.2022

 

 

 

Na atual invasão da Ucrânia, o presidente da Rússia afirmou que os russos que vivem em território ucraniano, em especial em Donetsk e Lugansk, estavam sendo exterminados por forças de Kiev. Desde 2014, pelo menos 14 mil pessoas morreram no conflito separatista no leste do país.

Entretanto, Ianhez destaca que este discurso é usado por Putin apenas quando convém. O historiador cita outras regiões nos quais russos são minorias e sofrem com abusos, mas sem a intervenção do presidente da Rússia.

“Putin utiliza as questões das minorias russas nesses países, mas não é uma questão de fato. Há minorias russas que têm seus direitos violados nos países bálticos, mas essa questão só é levantada quando está no interesse da Rússia. Ela não é levantada em todos os momentos.

Enfim, não acredito que seria motivo para iniciar um conflito, ainda mais esses países sendo parte da Otan”, conclui Ianhez.

Jornal Lagoa News
Paulo da Costa
Jornalista e escritor, repórter do Jornal Lagoa News.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.