Enem deve ter prova geral e específica a partir de 2024

enem-deve-ter-prova-geral-e-especifica-a-partir-de-2024
Jornal Lagoa News
Parecer com mudança entra em consulta pública nesta terça-feira (9)

Parecer com mudança entra em consulta pública nesta terça-feira (9)
LUIS LIMA JR/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO –

Em meio a pedidos de demissão no Inep, foram apresentadas nesta segunda-feira (8) no CNE (Conselho Nacional de Educação) as recomendações para o novo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que deve ser aplicado em 2024. O documento ao qual a reportagem teve acesso revela que a prova deve ter duas etapas, uma de conhecimentos gerais e a outra será dividida em quatro áreas profissionais.

A mudança no Enem é uma exigência da lei porque a partir de 2022 as escolas precisam oferecer o novo ensino médio, que dá flexibilidade aos alunos para escolher parte do currículo, de acordo com suas preferências e aspirações de trabalho. A nova prova terá, portanto, de avaliar também essa nova formação.

A proposta do parecer da ex-presidente do CNE, Maria Helena Guimarães de Castro, é que a segunda etapa do Enem seja dividida em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática (Stem), para classificar alunos para cursos das engenharias, química, computação, entre outros; Ciências Sociais Aplicadas, para cursos de economia, administração, direito; Humanidades, Linguagens e Artes, para cursos de filosofia, história, pedagogia, entre outros; e Ciências Biológicas e Saúde, para cursos de medicina, enfermagem, meio ambiente, entre outros.

O documento entra em consulta pública nesta terça-feira (9) e será votado no conselho em dezembro. Não foi proposta uma prova específica para quem optar por fazer ensino técnico com o médio.

Se aprovado, o Inep deve começar a elaborar o exame com base nessas diretrizes. Com a debandada do Inep, a preocupação de Maria Helena é “como e quando” isso será feito. “O MEC precisa se preparar, contratar consultores, fazer investimento em dinheiro e técnico para ter um novo banco de itens (perguntas da prova)”, disse. O parecer diz ainda que a prova pode ter questões dissertativas e não apenas de múltipla escolha.

Maria Helena ouviu secretarias, entidades, universidades e analisou um estudo de experiências internacionais feito pela consultoria Vozes da Educação, com apoio do Itaú Educação e Trabalho. Muitos dos países analisados têm uma prova geral e a outra com escolha dos estudantes. A maioria tem questões discursivas e algumas orais, como na França e no Reino Unido. China e Alemanha descentralizam a organização do exame, apesar de ele ser nacional.

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.