COP-26: acordo não satisfaz a todos, mas é bom compromisso, diz secretária da ONU

cop-26:-acordo-nao-satisfaz-a-todos,-mas-e-bom-compromisso,-diz-secretaria-da-onu
Jornal Lagoa News
Patricia Espinosa, secretária do clima das Nações Unidas

Patricia Espinosa, secretária do clima das Nações Unidas
BEN STANSALL / AFP

“Nenhum acordo seria o pior resultado possível. Ninguém ganha”, disse Patricia Espinosa, a secretária do clima das Nações Unidas, à Associated Press neste domingo (14), cerca de 15 horas depois de quase 200 nações concordarem com o que agora está sendo chamado de Pacto Climático de Glasgow. “Isso não satisfaz totalmente a todos”, afirmou. “Mas nos leva para a frente. É um bom compromisso”, completou.

O mundo conseguiu um acordo sobre o clima que, segundo especialistas externos, mostrou progresso, mas não sucesso. Não atingiu nenhum dos três objetivos da ONU: promessas que reduziriam as emissões mundiais de dióxido de carbono em cerca de metade, US$ 100 bilhões em ajuda climática anual de países ricos para países pobres e metade desse dinheiro para ajudar o mundo em desenvolvimento a se adaptar aos danos do aquecimento global.

Ainda mais decepcionante, uma grande economia mundial — a Índia — que já está passando por secas e calor extremo devido ao aquecimento global foi a nação que diluiu o acordo final com Glasgow. O compromisso era essencial quando uma proposta de última hora quase acabou com a chance de possível acordo.

“Estou satisfeita”, disse Espinosa. “Acho que é um resultado muito positivo no sentido de que nos dá uma orientação muito clara sobre o que precisamos fazer nos próximos anos.”

Um acordo climático por si só não bastará para limitar o aquecimento a 1,5 graus Celsius desde os tempos pré-industriais, disse Espinosa. Mas ela afirmou que isso define o cenário, criando um mercado de carbono, permitindo que mais dinheiro flua dos países ricos para os pobres, mesmo que os países pobres estejam insatisfeitos e digam que não é suficiente.

A Índia, o terceiro maior poluidor de carbono do mundo, cujo desenvolvimento é centrado no carvão, disse que não poderia permitir a linguagem histórica que pede a “eliminação” do carvão e o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis. Para muitos dos países, especialmente as pequenas nações em ilhas, que enfrentam ameaças da elevação dos mares, acabar com o carvão é fundamental para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e tentar manter o aquecimento a um nível que permitiria que suas nações sobrevivam. Muitos países estavam dizendo a Espinosa e ao presidente da conferência, Alok Sharma, que a linguagem de eliminação do carvão “tem que estar lá”. Mas nenhum acordo ou acordo sem a Índia era inaceitável.

Neste contexto, apareceram uma série de pequenas negociações. Muitas diante das câmeras, o que Espinosa disse ser importante para o mundo. Pequenas nações insulares foram consultadas. Elas não gostaram, mas assim como Espinosa e o enviado climático dos EUA John Kerry disseram não ter escolha. A Índia teria preferido nenhuma menção ao carvão, Espinosa disse. Em vez disso, a Índia propôs que a “eliminação gradual” se tornasse uma “redução gradativa” e país após país disseram que odiavam a ideia, mas a aceitavam. “Acho que é um exemplo claro de compromisso”, disse Espinosa. 

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.