Bolsonaro é a pessoa mais ‘despreparada’ para ocupar função pública, diz ex-comandante da PM

Jornal Lagoa News

Para o coronel Glauco Carvalho, ‘o bolsonarismo tenta destruir todos os valores da corporação’.

por Carta Capital

25 de agosto de 2021 – 10:32

O coronel da reserva Glauco Carvalho, ex-comandante da Polícia Militar de São Paulo, afirmou que o bolsonarismo que tomou conta das polícias no Brasil é, em parte, ‘incompreensível’, já que o presidente Jair Bolsonaro é a pessoa mais ‘despreparada’ para ocupar função pública ou militar. Segundo o coronel, esse pensamento representado pelo mandatário e seus filhos tenta ‘destruir os valores da corporação’ e representa o que há de pior na vida pública do Brasil. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

“Servi dentro do Exército por três anos como oficial de ligação da Polícia Militar de São Paulo. Havia uma grande ojeriza ao capitão Bolsonaro. Não entendo o que aconteceu nesses 25 anos, pois se há uma pessoas despreparada para o exercício da função política e para a função militar, essa pessoa é Jair Bolsonaro. Ele não tem apreço por limitações legais e éticas e tenta a todo custo trazer as Polícias Militares para seu lado”, disse Carvalho.

Para ele, não é apenas o presidente que seria o responsável pelo caos dentro das polícias, mas também seus filhos, que angariaram votos às custas de ações antiéticas.

“O bolsonarismo se alastrou. Tenho amigos que se tornaram defensores do presidente. É preciso entender o que aconteceu. Não basta só criticar as Polícias Militares. Precisamos tirar as PMs desse buraco. E o bolsonarismo usa de todos os instrumentos para instalar o caos. Veja o Eduardo Bolsonaro. Ele usou o fato de PM ter o pior salário do Brasil e o uso de câmeras pelos policiais para que os PMs se insurjam contra o Doria. Ele usa um instrumento que vai mudar a PM em dez anos – o uso de câmeras – para criar clima de insubordinação. O bolsonarismo não tem institucionalidade, ele não tem limites, e tenta destruir todos os valores da instituição. É o que tem de mais indecente na vida pública do País”, acrescenta.

Na entrevista, o coronel defendeu ainda uma rigorosa punição aos militares da ativa que se insubordinam e quebram as regras da corporação. O PM se diz amigo de Aleksander Lacerda, afastado do cargo de comandante da polícia após liderar uma convocação para atos golpistas no dia 7 de setembro e chamar o governador João Doria (PSDB) de ‘cepa indiana’.

“Quero salientar que o coronel Aleksander é meu amigo. Foi meu aluno no Curso Superior de Polícia; é um bom oficial. A despeito disso, fico com a lei, com os princípios e os valores da instituição. Ele tem de ser severamente punido sob o ponto de vista administrativo e sob o ponto de vista penal-militar. Se não, vamos instalar a balbúrdia na instituição. O Brasil está de ponta-cabeça. É surreal. E vejo coronéis querendo contemporizar”, afirma. “O procedimento administrativo tem de ser célere. Fosse em outras épocas, ele estaria preso hoje ou amanhã para dar exemplo para a tropa”, acrescenta Carvalho.

Segundo explicou, apenas um afastamento é uma punição tênue, será preciso ações mais duras para mostrar aos militares que ninguém está acima das regras, caso contrário a polícia estará abrindo espaços para a ‘libertinagem’.

“Se ficar só nisso, abrimos a possibilidade de ações de indisciplina se alastrarem por toda instituição. E vou além: a punição dele tem de ser pública. Nessas circunstância, apesar de meu apreço ao Aleksander, a punição tem de ser pública para que, do soldado mais de recruta ao coronel, vejam que a PM não tolera esse tipo de atitude. A democracia não implica em libertinagem, em falar o que você pensa e acha sobre autoridades constituídas ocupando uma das funções mais importantes que a instituição tem: o comando de área de grandes efetivos”, destaca o coronel que diz ainda ter certeza de que o comandante-geral da PM paulista Fernando Alencar tomará as providências para manter a ‘integridade da tropa’.

O PM também se mostrou favorável a criação de um regramento mais rígido para uso de redes sociais por militares e outros agentes públicos, como juízes e auditores e ainda defendeu uma ‘quarentena’ de cinco anos para que as carreiras típicas do estado passem a ocupar cargos políticos.

“É urgente que haja regramento do uso de redes sociais, tanto por policiais civis quanto militares. Não só, mas por juízes, promotores, auditores fiscais e diplomatas. As carreiras típicas de Estado não podem ter liberdade plena de se manifestar, pois elas detêm uma parcela de poder do Estado. Ou tem armas ou instrumentos que podem oprimir o cidadão. Isso tem de ter regramento”, defende.

Carvalho também atribui a Bolsonaro o fato de que servidores públicos estejam ultrapassando os limites historicamente estabelecidos para manifestações e críticas públicas.

“Isso vale para todas as carreiras de Estado. A lei e os regulamentos administrativos de todas as organizações estabelecem os limites. Há limites éticos na diplomacia, na Polícia Civil e, de forma muita mais acentuada, nas instituições militares. Elas estão perdendo a sua natureza mais intrínseca. O limite que o PM pode exercer em matéria político-eleitoral e partidária é zero”, explica.

Carvalho então complementa: “Ele não pode criticar a política do Doria, como a do Lula e de Bolsonaro. Isso também vale para Bolsonaro. Quem é da ativa não deve se manifestar porque eles são autoridades constituídas, legal e democraticamente eleitas. O Brasil perdeu seus limites e valores. O que se aplica ao Lula também se aplica ao Bolsonaro. Tem de haver respeito das instituições a essas autoridades. Eu posso falar porque estou na reserva, mas passei 35 anos sem falar nada. O limite é o limite em que as instituições se balizam. O grande problema que temos é que temos um presidente que, para permanecer no poder, prega a desinstitucionalização das organizações do estado, como as Polícias Militares, as Forças Armadas, o Ministério Público e a Justiça”.

(Com informações da Agência Estado)

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.