Adeus, dom Diego

Jornal Lagoa News

Hoje, o mundo do futebol perdeu um dos seus mais fantásticos personagens. Dom Diego, o profanador da ordem estabelecida, nos deixou

Morreu Diego Armando Maradona, o mais humano dos deuses do futebol. Por ironia (ou homenagem) da História, nos deixou no mesmo dia em que morreu Fidel Castro (25/11/2016), de quem era amigo e admirador.

Em campo, foi único. Era um artista da bola, capaz das mais belas e improváveis jogadas. Um curto espaço de campo virava um latifúndio na sua frente e era prontamente semeado com dribles mágicos, arrancadas com a bola colada ao pé, gols e assistências perfeitas.

Destaque e comandante da última Copa do Mundo vencida pela Argentina, em 1986, é dele a maior performance individual da História das Copas. Foi coroado não só como craque e campeão, mas também como herói de guerra, o vingador das Malvinas, ao fazer a Inglaterra sucumbir em dois lances tão contraditórios quanto antológicos: um gol de mão, roubado, descarado (e impossível no futebol de hoje, repleto de VARs e tira-teimas, cada vez mais parecido com um jogo de videogame); e outro, o mais belo de todos, enfileirando cinco adversários em sequência até rolar a bola para as redes.

Outro feito de Maradona foi alçar uma equipe mediana do sul da Itália ao posto de time de ponta. Com a camisa 10 do Napoli, comandou o primeiro título europeu e os 2 primeiros títulos da Liga Italiana vencidos pelo clube. Idolatrado na cidade, reza a lenda que, ao enfrentar a seleção italiana na semifinal da Copa de 90, no mesmo Estádio San Paolo que lhe era familiar, denunciou a opressão do norte italiano, rico e poderoso, sobre as cidades do sul, região mais pobre da bota. O resultado foi a apatia da torcida azzurra e a vitória dos hermanos.

El Pibe de Oro não foi o único rebelde do mundo do futebol, mas nele, o combo de desobediência e talento alcançou a plenitude. Destilava dribles, lançamentos, toques de calcanhar e gols com a mesma maestria que desafiava poderosos. Maradona enfrentou a FIFA, a ditadura da televisão que obrigava jogadores a entrar em campo sob o sol de meio-dia em pleno verão mexicano, andou às turras com a imprensa, cartolas e técnicos, tentou fundar um sindicato internacional de atletas e foi combatido com todas as armas pelos burocratas e mafiosos que comandam o mundo da bola. O futebol que “modernizava-se” como um negócio capitalista altamente lucrativo precisa de craques robotizados e moldáveis aos seus interesses comerciais, não de contestadores e falastrões.

Nem sempre tinha razão e, às vezes, recebia da própria língua golpes mais duros do que os desferidos pelos botinudos adversários. Mas sua fúria quase sempre tinha como certeiro alvo o andar de cima. Gritou por justiça social, defendeu a Cuba socialista, a Venezuela de Chávez, a Argentina de Kirchner e lançou-se, ao lado dos movimentos sociais e governos populares da América Latina, em apaixonada campanha contra a ALCA. Solidarizou-se com Lula e Dilma no Brasil e denunciou a perseguição implacável sofrida pelo ex-presidente. Mexeu em casas de marimbondos e encarou de peito aberto as ferroadas que levou.

Maradona foi a maior personificação do apreço portenho ao drama. Um tango argentino de carne e osso, vivenciou com intensidade ímpar a glória e a tragédia. O escritor uruguaio Eduardo Galeano escreveu uma vez que Maradona tinha uma “tendência suicida de servir-se de bandeja na boca de seus muitos inimigos” e uma “irresponsabilidade infantil que o impele a precipitar-se em todas as armadilhas que se abrem em seu caminho”. Nele, as fraquezas humanas se manifestavam com mesmo ímpeto das paixões e da genialidade. Enfrentou abertamente o vício em cocaína e foi devorado mil vezes pelas hienas que se alimentam de derrubar ídolos.

Hoje, o mundo do futebol perdeu um dos seus mais fantásticos personagens. Dom Diego, o profanador da ordem estabelecida, nos deixou. Porém, relembrando novamente Galeano, “os deuses não se aposentam, por mais humanos que sejam”. E a memória do pequeno gigante ninguém poderá nos tomar.

O conhecimento liberta. Saiba mais

Jornal Lagoa News
Rubens Britto

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.